segunda-feira, 31 de agosto de 2009










A estrutura da bolha de sabão, compreende? Não compreendia. Não tinha importância. Importante era o quintal da minha meninice com seus verdes canudos de mamoeiro, quando cortava os mais tenros, que sopravam as bolas maiores, mais perfeitas. Uma de cada vez. Amor calculado, porque na afobação o sopro desencadeava o processo e um delírio de cachos escorriam pelo canudo e vinham rebentar na minha boca.



texto de Lygia Fagundes Telles

fotografia de Gundula Schulze Eldowy

Sem comentários:

outros dias do caderno